Blog

março 15, 2017

  image STILL       SE Dr STILL E JOSEPH PILATES TIVESSEM SE CONHECIDO, COM CERTEZA JUNTARIAM SUAS IDÉIAS E SERIAM GRANDES AMIGOS. OS DOIS SOFRERAM NA ADOLESCÊNCIA COM DOENÇAS E FRAGILIDADE CORPORAL, FORAM GRANDES AUTODIDATAS, ESTUDIOSOS DE ANATOMIA E FISIOLOGIA. OS DOIS CRIARAM TÉCNICAS E MÉTODOS QUE CONSIDERAM O CORPO COMO UM TODO E A INDIVIDUALIDADE DE CADA SER. ANDREW TAYLOR STILL NASCEU EM 1828 E FALECEU EM 1917. CRESCEU SOFRENDO DE CEFALEIA E NAUSEAS NA ADOLESCÊNCIA E SE AUTO TRATAVA FAZENDO PRESSÃO NA BASE DO CRANIO COM UMA CORDA. ESTUDOU MEDICINA E SE FORMOU CIRURGIÃO. DEPOIS DA GUERRA DA SECESSÃO (1865), PERDEU TRÊS DE SEUS FILHOS E ALGUNS PACIENTES POR MENINGITE E ESTE FATO MARCOU SUA RUPTURA COM A MEDICINA CONVENCIONAL. SAIU EM BUSCA DE UMA NOVA MEDICINA QUE TIVESSE MAIS HARMONIA COM AS LEIS NATURAIS E QUE FOSSE MAIS EFICAZ EM VEZ DE SÓ AMPUTAR, CORTAR, INIBIR… EM 22 DE JUNHO DE 1874 TRATOU E CUROU UMA CRIANÇA COM DESINTERIA. FOI REJEITADO PELA POPULAÇÃO E SUA TÉCNICA ENTITULADA DE PRÁTICA SATÂNICA. FOCOU SEUS ESTUDOS EM ANATOMIA, ANATOMIA, ANATOMIA E SE M

Postado em Blog por fisiomm
julho 27, 2016

A técnica de Crochetagem Mioaponeurótica apresenta um papel relevante devido à sua ação específica sobre o tecido que suporta todo o organismo: o tecido conjuntivo. Papel Mecânico: Articular: permite libertar aderências capsulares. Ligamentar: permite restaurar a qualidade da função ligamentar. Tendinoso e fascial: permite restabelecer os planos de deslizamento aponeuróticos, favorecendo a cicatrização funcional. Papel Vascular: Evitar coleções hemáticas. Efeito reflexo hemodinâmico por eliminação de histamina, favorecendo a drenagem e eliminação dos processos inflamatórios. Aumentar o retorno venoso e linfático. Papel Neuromuscular: Ação local reflexa por estimulação dos receptores nervosos. A técnica de Crochetagem Mioaponeurotica é efetuada por intermédio de um crochet adaptado à região e ao tipo de estrutura a tratar. As diferentes extremidades do crochet (gancho)permite um diagnóstico e tratamento mais preciso da região anatómica lesada.  

Postado em Blog, Uncategorized por fisiomm
julho 27, 2016

MN orienta para o uso de mobilizações e movimentos da articulação com objetivo de restaurar a complacência do sistema neural entre os demais tecidos. Esta técnica, desenvolvida a partir de estudos clínicos conduzidos pelos especialistas Geoffrey Maitland, Robert Elvey e David Butler, na Austrália, participa como coadjuvante no tratamento de dor neuropática, regularizando a interpretação das informações mecânicas.   O que é Neurodinâmica Clínica? É a aplicação clínica da mecânica e da fisiologia do sistema nervoso, como elas se relacionam entre si, e são integradas à função musculo-esquelética. (Michael Shacklock 2006) Qual a importância da Neurodinâmica Clínica? Qualquer movimento do corpo ou no corpo produz um movimento neurodinâmico e um movimento da sua interface mecânica. Ocorrendo uma acomodação do nervo em busca de conforto, e fugindo de tensão. O sistema nervoso não gosta de “TENSÃO”. •A mobilização de um nervo pode reduzir a pressão sobre o nervo e pode resultar em uma melhora do fluxo sanguíneo. (SHACKLOCK, 2005) •A neurodinâmica clínica tem como base da sua eficácia a anatomia e biomecânica do sistema nervoso. •O sistema nervoso é considerado um “continuum” . Qual a importância da “Continuidade” do Sistema nervoso para a Neurodinâmica Clínica? Estudos através d

Postado em Blog, Uncategorized por fisiomm
julho 27, 2016

CRIADA EM 1874 POR ANDREW TAYLOR STILL, QUE ESTUDOU POR ANOS E ANOS O CORPO HUMANO, SUA RICA ANATOMIA. A FILOSOFIA OSTEOPÁTICA É BASEADA NA IDÉIA DE QUE A ESTRUTURA E FUNÇÃO ESTÃO INTIMAMENTE RELACIONADAS, O CORPO FUNCIONA COMO UMA UNIDADE E TEM MECANISMOS PRÓPRIOS DE AUTO-REGULAÇÃO E AUTO-CURA. O CORPO SE TORNA PROPÍCIO PARA O DESENVOLVIMENTO DA DISFUNÇÃO OU ENFERMIDADE QUANDO EXISTIR ALGUM PROBLEMA NA ESTRUTURA, NÃO IMPORTA QUÃO FINA, PEQUENA OU PROFUNDA SEJA ESTA ESTRUTURA. COM SUAS MÃOS E SEU PROFUNDO CONHECIMENTO, O OSTEOPATA SE UTILIZA DE TÉCNICAS MANUAIS ESPECÍFICAS PARA DAR AO CORPO ESTÍMULOS DE CORREÇÃO. O OSTEOPATA DEVE TRABALHAR CONHECENDO CADA PARTE DO CORPO, COMO ELE FUNCIONA, COMO INTERAGE COM OUTRAS PARTES E COMO A PERTUBAÇÃO DE UMA PARTE DO CORPO PODE GERAR EFEITOS NO TODO. A OSTEOPATIA É RECONHECIDA PELA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE.

Postado em Blog, Uncategorized por fisiomm
julho 27, 2016

Método que facilita uma resposta corporal de recuperação que envolve os músculos, sistema nervoso central e periférico através do sentido de posição corporal e da percepção do movimento, utilizando uma ou mais das 10 técnicas disponíveis. Apresenta avaliação sistematizada do sistema nervoso e locomotor, onde se identificam sinais e sintomas apresentados pelo paciente, seus déficits e objetivos, para traçar um plano de tratamento personalizado, através de uma abordagem positiva. Desenvolvido na década de 40 nos EUA pelo médico Herman Kabat e pela fisioterapeuta Margareth Knot a partir de estudos em neurofisiologia. O Dr. Kabat observando o movimento de atletas desenvolveu as diagonais de movimento e as utilizou no tratamento de pacientes neurológicos. Com ampla aplicação, pode auxiliar na recuperação do controle motor em pacientes cujo problema agride o sistema nervoso central e/ou periférico, e cursa com diminuição, falta ou ausência de controle como em indivíduos vítimas de AVE, Lesões medulares, Traumatismo Crânio Encefálico, Lesões Nervosas Periféricas, Síndrome de Guillan-Barré, Síndrome de Hakim-Adams, Lesões cerebelares, Doença de Parkinson, Alzheimer, Esclerose Lateral Amiotrófica, Esclerose Múltipla, Lesões de Plexo Braquial entre outras. O método que evoluiu ao longo do tempo, é hoje também utilizado para o tratamento de disfunções musculoesqueléticas, como: problemas

Postado em Blog, Uncategorized por fisiomm
julho 27, 2016

O Sistema Vestibular inclui as partes do ouvido interno e o cérebro que processam as informações sensoriais e fornece informações sobre o movimento e a posição da cabeça, contribuindo para a sensação e a percepção da posição e do movimento do corpo como um todo. Há dois sensores do movimento:

  1. Canais semicirculares: detectam movimento rotacional da cabeça

 

  1. Órgãos otolíticos: detectam aceleração linear (na vertical, horizontal e na inclinação)

  Nosso sistema nervoso depende de informações vindas também de outros sistemas sensoriais disponíveis, espalhados pelo corpo como sistema visual, Sistema somatossensitivo que dá informações sobre a posição e o movimento do corpo em relação a uma superfície.   Os distúrbios vestibulares mais comumente diagnosticados incluem vertigem posicional paroxística benigna (VPPB), labirintite ou neurite vestibular, doença de Ménière, neuroma acústico. Outros problemas relacionados com disfunção vestibular incluem enxaqueca associada vertigem e complicações de doenças auto-imunes e alergias.   Pacientes com disfunção vestibular apresentam percepções anormais do movimento, sentem como se estivessem girando, balançando, flutuando ou que o ambiente gira ao redor. Nenhum sistema sensorial isolado fornece todas as informações necessárias para sentir o movimento do corpo

Postado em Blog, Uncategorized por fisiomm
julho 27, 2016

São técnicas de enfaixamentos específicos que visam estabilizar articulações, para se evitar alterações decorrentes da prática desportiva, alinhar segmentos ósseos e evitar desalinhamentos mecânicos, posicionar articulações afim e impedir sobrecargas tendinosas ,capsulares, ligamentares e musculares em indivíduos portadores de lesões por esforços repetitivos. Quais os benefícios do Tape ? A aplicação do Tape reduz edemas e a dor de lesões musculares. Ocorre o alívio da dor e a pressão nos receptores sensoriais e neurológicos, é aliviada através das ondulações que a bandagem provoca na pele, atuando no sistema linfático permitindo que este flua mais livremente, e melhorando também a circulação sanguínea. A bandagem tem como funções fundamentais: Corrigir a função do músculo. A bandagem é efetiva para recondicionamento de tensão anormal do músculo, ou para estimular o músculo enfraquecido. Melhorar a circulação sanguínea e linfática. A bandagem auxiliará na absorção de edema ou hematoma. Alívio da Dor Supressão neurológica da dor ocorre após a aplicação da bandagem na área afetada. Reposição da subluxação da articulação. A articulação é deslocada devido à tensão anormal muscular que pode ser corrigida com a bandagem recuperando a função da fáscia e do músculo.     _

Postado em Blog, Uncategorized por fisiomm
julho 27, 2016

ESPONDILOLISTESE LOMBAR É UMA PATOLOGIA DA COLUNA VERTEBRAL RECONHECIDA PELO DESLIZAMENTODE UMA VÉRTEBRA SOBRE A OUTRA, PERDENDO ASSIM O SEU EQUILIBRIO ANATÔMICO FUNCIONAL, VISÍVEL EM RAIOX. SE O DESLIZAMENTO DA VÉRTEBRA SUPERIOR VAI NA DIREÇÃO ANTERIOR, CHAMA-SE ANTEROLISTESE, E SE FOR NA DIREÇÃO POSTERIOR CHAMA-SE RETROLISTESE. AS VÉRTEVBRAS MAIS FREQUENTES NESTA SITUAÇÃO CITADA SÃO A QUARTA E A QUINTA VÉRTEBRAS LOMBARES (L4 E L5). PODEMOS TER COMO CAUSA PARA A ESPONDILOLISTESE: – HISTORICO DE ESPONDILOLISE (DEFEITO OU FRATURA NA REGIÃO INTERVERTEBRAL COM DESCONTINUIDADE ÓSSEA DO SEGMENTO) – MÁ FORMAÇÃO DA VÉRTEBRA – DESGASTE ARTICULAR DEVIDO A MOVIMENTOS REPETIDOS, EXCESSO DE CARGA, ENVELHECIMENTO – ACIDENTE TRAUMÁTICO COM OU SEM FRATURA AB

Postado em Blog, Uncategorized por fisiomm
julho 27, 2016

Tipo de tecido que vamos chamar de tecido conectivo, que está presente em todo o corpo, formando uma grande teia tridimensional indo da cabeça aos pés sem interrupção, envolvendo e conectando músculos, ossos, órgãos. Serve como suporte para nervos, vasos sanguíneos e linfáticos, permite a movimentação dos tecidos uns sobre os outros, possui mecanoreceptores e proprioceptores que transmitem informações à medula espinhal e ao cérebro sobre a posição e locomoção, possui em sua constituição substancias que contribuem para processos imunológicos. Possui colágeno que lhe dá resistência e firmeza, a elastina que permite a elasticidade e água que promove a viscosidade exata para permitir o deslizamento. Mesmo sendo contínua, as fascia apresenta várias camadas que recebem nomes específicos. FASCIA SUPERFICIAL – se comunica com a pele, é uma teia fibroelástica com movimento em várias direções e é nesta fascia que se acumulam os fluidos e metabólitos, que podem causar alterações de textura notáveis à palpação. FASCIA PROFUNDA – é a camada que forma os compartimentos do corpo, envolvendo e separando cada músculo, víscera. É mais rígida que a fascia superficial. FASCIA SUB-SEROSA – teia elástica que reveste as vísceras, com diversos canais circulatórios, que lubrificam estas superfícies. A FASCIA é indispensável no desempen

Postado em Blog, Uncategorized por fisiomm
julho 27, 2016

A Fisioterapia Uroginecológica é uma especialidade da fisioterapia que atua no tratamento dos distúrbios perineais. A uroginecologia é uma subespecialidade médica abrangente, que relaciona os tratos urinário e ginecológico, bem como suas estruturas contíguas. Com o avanço científico na área, a fisioterapia uroginecológica se estabeleceu como uma alternativa cientificamente comprovada para o tratamento das disfunções do assoalho pélvico. Fisioterapia Uroginecológica já foi reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia (COFFITO), desde 2009. Os músculos do assoalho pélvico desenvolvem inúmeras funções benéficas para a saúde. Entre a mais importante função está a manutenção na posição anatômica dos órgãos pélvicos, funcionando como uma rede de sustentação desses órgãos. Estes músculos estão sujeitos a sofrerem atrofia, ou seja, enfraquecimento. Com o passar da idade, somada às transformações metabólicas que o corpo apresenta, associadas ao desconhecimento, e ao desconforto de se conversar sobre esse assunto, muitas pessoas apresentam prolapsos genitais que consiste na descida de órgãos pélvicos, como por exemplo, a bexiga, em consequência do enfraquecimento dessa musculatura. Assim a função de sustentação já não existe dificultando o bem-estar físico e psicológico. O desempenho sexual poderá ser comprometido com o enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico, pois não mais

Postado em Blog, Uncategorized por fisiomm